A Timberland capacita os seus funcionários através de formação financeira



A segurança financeira é parte fundamental da vida de qualquer um e, ainda assim, 2500 milhões de adultos de todo o mundo não utilizam os serviços financeiros formais para guardar ou pedir dinheiro. Capacitar os trabalhadores pobres com o conhecimento e as capacidades adequadas, e dar-lhes a conhecer produtos e serviços financeiros, pode ajudá-los a gerir o dinheiro com mais eficácia, a investir em oportunidades económicas e a reduzir os riscos relacionados com doenças ou perdas de emprego.

Em 2003, a Timberland associou-se à CARE International para lançar um programa de microfinanças com um dos nossos maiores fornecedores de roupa, The YoungOne Corporation, um fabricante de textéis que opera 14 fábricas no Bangladesh. Com financiamento inicial da Timberland, a CARE e uma organização local denominada MAMATA deram início a um projeto que visava melhorar a vida de 24 000 trabalhadores textéis da YoungOne no parque industrial Chittagong Export Processing Zone (CEPZ).

Como resposta às queixas de roubos nos dias de pagamento, o programa instalou cabinas dentro da fábrica, onde os funcionários podiam fazer depósitos e levantamentos na segurança do local de trabalho. Além disso, o programa permitia aos funcionários ter acesso a pequenos empréstimos para cuidados de saúde, educação ou projetos económicos pessoais, com que geram atividades que melhoram as condições de vida deles próprios e das suas famílias.

Encorajados pelo programa CEPZ, a Businesses for Social Responsibility (BSR) criou a iniciativa HERfinance que ajuda a facilitar o desenvolvimento económico das mulheres de todo o mundo. A iniciativa oferece formação essencial sobre elaboração de orçamentos, poupança e a utilização dos serviços financeiros formais, e funciona como um modelo de educação por pares em que participam funcionários, principalmente mulheres, que promovem esta formação. O modelo de educação por pares já tem dado resultados no projeto HERproject da BSR que se centra na saúde feminina.

"Já vi o poder da orientação por pares" afirma Colleen Vien, diretora de sustentabilidade da Timberland. "Ter conhecido estas mulheres tão corajosas, comprometidas e vanguardistas foi um dos pontos altos da minha carreira e inspirou-me a procurar oportunidades para dar mais opções às trabalhadoras da nossa cadeia de fornecimento.

Com o passar dos anos temos visto que a retenção dos trabalhadores e a moral aumentaram na YoungOne, fruto do nosso anterior programa de microfinanças. Apesar da preocupação inicial por parte da direção de que o contrário poderia acontecer, temos visto que o investimento, nas fábricas, no bem-estar dos trabalhadores pode ter como resultados o aumento da produtividade, maior qualidade dos produtos e mais flexibilidade e fiabilidade por parte dos fornecedores.

Por exemplo, Sultanan yasmin Kohinoor, uma funcionária da YoungOne proveniente de uma família pobre, perdeu os pais quando era muito jovem mas, mesmo assim, estudou sem descanso e trabalhou até conseguir chegar ao comité de representação e bem-estar dos trabalhadores da YoungOne. Segundo afirma, o projeto do CEPZ e as pessoas que nele trabalharam ajudaram-na a desenvolver as suas capacidades de consultoria e negociação, e fizeram dela uma líder melhor.

Do mesmo modo, Arifa, uma organizadora proveniente da comunidade de trabalhadores textéis, afirma o seguinte: "Sentimos agora muito mais confiança e acreditamos que somos capazes de planear melhor o nosso futuro". As nossas capacidades para tomar decisões melhoraram porque compreendemos melhor como funcionam as poupanças, o crédito, o lucro e o risco".